Adspace 728x90

"Humilhados um dia serão exaltados", diz Argôlo, com terço na mão, à CPI da Petrobras

Investigado e preso na Operação Lava Jato, o ex-deputado federal Luiz Argôlo (SD-BA) disse em depoimento à CPI da Petrobras, nesta terça-feira (12), que é inocente, reclamou de ter sido "alvejado" como parlamentar e afirmou que "os humilhados um dia serão exaltados".

"Os humilhados um dia serão exaltados. Isso é bíblico", declarou, com um terço na mão. "Todo ser humano erra. Não só eu, como vossa excelência, como qualquer ser humano. Jesus Cristo, que é filho de Deus, foi crucificado."

A CPI está em Curitiba, sede das investigações sobre o esquema de desvio de dinheiro da Petrobras, para ouvir quem está detido na cidade.

Argôlo, que tem 34 anos e era considerado uma promessa na política baiana, é acusado de envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, principal delator da Lava Jato. O Ministério Público Federal diz que helicóptero, máquinas, cadeiras de rodas e até boletos de IPTU do ex-deputado foram pagos por Youssef e que ele usou a mãe e o pai como laranjas para receber dinheiro de propina da Petrobras.

Ele era do PP, partido para o qual Youssef operava, mas se desfiliou em 2013 e migrou para o Solidariedade.

A princípio, o ex-parlamentar, que deu um abraço no presidente da CPI, Hugo Motta (PMDB-PB), e no deputado Antônio Imbassahy (PSDB-BA), disse que se manteria em silêncio. Ele argumentou que nada do que falou até agora contribuiu para afrouxar sua prisão –Argôlo está detido preventivamente na carceragem da Polícia Federal há pouco mais de um mês.

Ao longo do depoimento, que durou cerca de uma hora, no entanto, o ex-deputado foi se abrindo. Reclamou de ter sido criticado duramente por um ano e meio, desde que surgiram as primeiras denúncias, e afirmou que foi julgado "de forma rápida" pelo Conselho de Ética da Câmara.

"A única coisa que faltou foi dizer que a falta de água foi culpa do Luiz Argôlo. Mas o resto... Passei um ano e meio apanhando. Mas não recebi nenhuma denúncia formal do Ministério Público", declarou.

O baiano disse que conheceu Youssef como empresário e proprietário de hotéis na Bahia, e não como doleiro. Segundo ele, isso ocorreu apenas depois de ter sido eleito deputado federal, em 2010. “Eu conheci o empresário Alberto Youssef na casa dos deputados Mário Negromonte e João Leão. Não o conheci com sacola de dinheiro nem como doleiro. Não recebi doação nenhuma de construtora em 2010”, disse Argôlo.

"Me foi apresentado o empresário Alberto Youssef. Se agora ele é um criminoso, se é doleiro, se fez delação, não coube a mim entrar no Google e fazer uma consulta pelo seu CPF. Se ele foi condenado pela justiça, ou absolvido, não cabe a mim esse julgamento", afirmou.

Argôlo disse que é inocente, agradeceu a "corrente de oração" de amigos e familiares e, ao longo do depoimento, se recusou a responder algumas perguntas, invocando o direito de permanecer em silêncio.

Texto: Folha de São Paulo

Crisópolis em Foco: Informação e cidadania. #Compartilhe!


  • Comentar via Blogger
  • Comentar via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Item Reviewed: "Humilhados um dia serão exaltados", diz Argôlo, com terço na mão, à CPI da Petrobras Rating: 5 Reviewed By: Hamilton Bispo