Adspace 728x90

Aos 11 anos pombalense é selecionado para o Ballet Bolshoi

Atualmente morando em Caldas de Cipó, Giovane Santana de Jesus, 11 anos, acaba de ser selecionado para compor o quadro da mais célebre companhia de balé clássico do mundo, o Teatro Bolshoi, da Rússia

“O que há de errado com o balé?”, perguntou o jovem Billy Elliot ao pai, na mesa do café da manhã. Personagem de um clássico do cinema, Billy, menino pobre de uma pequena cidade da Inglaterra, enfrentou a ira do genitor e o preconceito da cidade inteira até se tornar bailarino profissional da Royal Ballet School e ser aclamado em O Lago dos Cisnes, famosa apresentação de balé dramático.

Ao menos boa parte dessa história tem agora seu correspondente na pequena Caldas de Cipó, no Nordeste baiano. Giovane Santana de Jesus, 11 anos, que tem a mesma idade do personagem do cinema, acaba de ser selecionado para compor o quadro da mais célebre companhia de balé clássico do mundo, o Teatro Bolshoi, da Rússia. A seleção ocorreu nos dias 18 e 19 de outubro. 

Outros pouquíssimos baianos já conseguiram dar esse incrível salto e também passaram na peneira do Bolshoi. Mas a história de Giovane, além de impressionar pela origem aparentemente sem perspectiva, é muito semelhante à de Billy Elliot. Se na Inglaterra Billy ouviu piadinhas e aguentou a revolta de colegas, imagine o que sofreu Giovane em Cipó, microrregião de Ribeira do Pombal, onde até dois anos atrás jamais havia ocorrido uma apresentação de balé. 

Agressão

Certa vez, o garoto voltava para casa após uma de suas primeiras aulas quando foi agredido verbalmente por um homem. “Ó praí! A mãe sapatona e o filho gay”, comentou o sujeito. Seria a primeira e última vez que Giovane chegaria em casa chorando por conta do balé. “Alguns colegas da escola também faziam piada, diziam que ele vestia roupa de mulher. Hoje, ele se impõe e não liga para isso”, contou a mãe, Ivone Caribé, 35 anos.
 
Mas ainda tinha o pai do garoto, que mora em São Paulo. “Dizia que o filho dele era homem e balé é coisa de mulher”, reproduziu Ivone. A mãe, que trabalha como porteira da escola em que Giovane estuda, enfrentou o ex-marido. Giovane pôde, então, usar seu corpo comprido e ensaiar o passo inevitável rumo ao sucesso. “Hoje, até o pai dele está vibrando”. Aí, novamente, repetiu Billy Elliot. 

Antes de se mudar para Cipó, em 2011, mãe e filho equilibravam-se em incertezas. Moravam no povoado de Marisá, distrito da vizinha Tucano, onde na maioria das casas sequer havia luz elétrica. Pois foi ali que surgiu o sonho de vestir uma sapatilha de ponta. Precisamente na casa da tia, uma das poucas com eletricidade. Recorria à TV dela para assistir desenho animado. 

“Vi na televisão um desenho que tinha uma bailarina. Fiquei encantado e disse a minha mãe que queria ser bailarino. Ela nem sabia do que eu estava falando”. Isso, aos 5 anos de idade. Entre Ribeira do Pombal - onde nasceu por ser a única cidade da região a fazer cesarianas -, o povoado de Marisá e Caldas de Cipó, o sonho foi crescendo no coração de Giovane. Mas sonhos não são nada sem um empurrãozinho. 

Corpos

A iniciativa de duas professoras de balé de Salvador é que mudou a história do pequeno cipoense. Dinny Santos e Cristiane Costa, da Insalto Cia de Dança, se mudaram para Cipó e abriram a primeira companhia de balé da cidade, em 2012, justamente na escola onde o menino estuda e a mãe trabalha. Espalharam cartazes e resolveram cobrar preços populares para alunos de baixa renda.
 

Os corpos dos moradores da região chamaram a atenção das professoras. “Em Cipó e região têm muitas meninas e meninos altos, longilíneos, com joelhos arqueados, perfeitos para o balé”, explicou Dinny. “Levamos dois bailarinos para uma apresentação na praça. A comunidade viu como uma grande novidade. Era um lugar sem nenhuma cultura de balé”, lembra. 

Enquanto isso, Giovane vibrava. “Quando ele soube da abertura da escola foi uma alegria. Ia poder realizar seu sonho”, contou a mãe. Algumas meninas logo se matricularam. Giovane, como Billy Elliot, se tornaria o único menino da primeira turma, pagando R$ 50 por mês.

No mesmo ano, Giovane fez sua primeira apresentação em um palco. “Parecia que eu estava sonhando”, disse Ivone. Pipocaram comentários de professores da capital sobre seu talento. Dali para o Bolshoi foi um pulo. O Billy Elliot de Cipó agora deixará tudo para trás e vai morar em Joinville, Santa Catarina, na única sede do Bolshoi fora da Rússia. 

Só não vai desgrudar de uma pessoa. “Eu vou com ele. Pelo sonho do meu filho, abro mão até da minha felicidade”, disse Ivone, que também vai precisar de equilíbrio e força para aguentar o menino agarrado o tempo inteiro a seu pescoço. Ficou pendurado ali durante toda a entrevista.

Seleção avaliou até a dentição dos 518 bailarinos concorrentes

Até ser selecionado para o Bolshoi, Giovane teve de passar por duas peneiras. A primeira eliminatória ocorreu em Camaçari, com 200 concorrentes. Na maior seleção do gênero no país, em Joinville, Santa Catarina, única sede do Bolshoi fora da Rússia, Giovane disputou com 518 bailarinos. Os avaliadores aprovaram 61, entre eles o cipoense. “Lá, eles observam além da qualidade técnica, a parte física. Os joelhos, o tamanho do fêmur e até a dentição”, explica a professora Dinny Santos. 

Durante sete anos de bolsa, Giovane terá à sua disposição professores que ensinam a linhagem do balé russo. “Eles têm uma técnica refinadíssima, com muita disciplina e assistência psicológica”, explica Dinny. Enquanto em Cipó Giovane fazia uma aula por semana, no Bolshoi serão cinco dias de aula semanais, fora a escola. 

A dedicação é de 12 horas por dia. Para ficar na companhia, é preciso ir bem na escola. Passados os sete anos, Giovane pode ir para a Rússia, ser chamado para outra companhia ou se tornar professor de balé.

Outros baianos já se destacam na escola de balé do Bolshoi

No teste em que Giovane foi aprovado, uma baiana também entrou no Bolshoi, mas para o balé contemporâneo, menos concorrido. Safira Sacramento, 15 anos, aluna da Fundação Cultural da Bahia (Funceb) também se mudará para Joinville. Nos últimos anos, outros baianos passaram no teste. Em 2013, Samuel Valdinucci, 10, revelado pela Ebateca, ganhou bolsa. 

Em 2012, a conquistense Karla Soares, então com 12 anos, foi selecionada para a mesma escola. Um ano antes, Pedro Pires também conseguiu o feito depois de tentar outras quatro vezes. Há também casos como o de Nielson Santos, que acabou absorvido por outra companhia de dança antes de se formar no Bolshoi. 

Mas o caso mais impressionante é o da também baiana Mariana Gomes, única brasileira que compõe o corpo de dança do Bolshoi na Rússia. Saiu da Escola de Ballet Adalgisa Rolim aos 14 anos para Joinville e, em 2005, se mudou para Moscou.

Fonte: Correio

Crisópolis em Foco: Informação e cidadania. #Compartilhe!



  • Comentar via Blogger
  • Comentar via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Item Reviewed: Aos 11 anos pombalense é selecionado para o Ballet Bolshoi Rating: 5 Reviewed By: Hamilton Bispo