Adspace 728x90

Filho de PMs disse a amigo que planejava matar os pais, afirma polícia

5.ago.2013 - Em foto de rede social, o sargento da Rota (tropa de elite da PM paulista) Luis Marcelo Pesseghini e sua mulher Andreia Regina Bovo Pesseghini, que foram assassinados dentro de casa no bairro da Brasilândia, na zona norte de São Paulo. O sargento e a mulher, que era cabo da PM, e o filho de 13 anos foram encontrados mortos nesta segunda-feira (5). Além dos três, a mãe da cabo e a irmã dela foram encontradas mortas em outra casa que fica no mesmo quintal. A polícia trabalha com a hipótese de que o garoto tenha atirado nos membros da família e depois se matado 


  • O delegado titular da divisão de homicídios do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa) da Polícia Civil de São Paulo, Itagiba Franco, afirmou, durante entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (6), que um colega de escola de Marcelo Eduardo Bovo Pesseghini, 13, disse em depoimento que o adolescente teria confidenciado a ele um plano para matar os próprios pais, o sargento da Rota (tropa da elite da Polícia Militar) Luís Marcelo Pesseghini e a cabo da PM Andreia Regina Bovo Pesseghini. 

    Ambos foram mortos a tiros nessa segunda-feira (6) na residência do casal, na Brasilândia, zona norte de São Paulo. A mãe da policial, Benedita de Oliveira Bovo, 65, e tia de Andreia, Bernadete Oliveira da Silva, 55, também foram mortas. Narcelo também foi encontrado morto. 

    Janaina Garcia/UOL
    O delegado Itagiba Franco, durante entrevista coletiva nesta terça (6) sobre a morte da família de PMs


Na entrevista, o delegado leu trecho do depoimento do amigo do filho dos PMs -- de 13 anos e cuja identidade foi preservada --prestado hoje ao lado do pai. "Desejo manifestado pelo Marcelo: ele sempre me chamou para fugir de casa para ser um matador de aluguel. Ele tinha o plano de matar os pais durante a noite, quando ninguém soubesse, e fugir com o carro dos pais e morar em um local abandonado", afirmou o delegado, citando o trecho do depoimento do "amigo mais chegado" do adolescente.

O carro de Andreia Regina, um Corsa sedan, foi encontrado próximo à escola de Marcelo, na Freguesia do Ó. A polícia acredita que ele tenha ido ao colégio com o carro da mãe depois de ter cometido os crimes. O delegado disse que o amigo reconheceu Marcelo em imagens de câmeras de segurança da região nas quais uma pessoa chegava ao local com o carro, à 1h15 da madrugada de ontem, e o deixava às 6h30 com uma mochila nas costas. 

Uma professora do garoto afirmou em depoimento à polícia que ontem, na escola, Marcelo teria perguntado a ela se já havia dirigido carro alguma vez quando criança e se já teria atingido os pais. Outra professora disse que Marcelo teria dito que havia dirigido um buggy.

Ainda conforme o delegado, a chave do carro da policial foi encontrada no bolso da jaqueta de Marcelo, a qual estava na sala da casa --onde estavam os corpos do adolescente e dos pais.

"Tudo vai se encaixando, se fechando", comentou o policial. "Desde o primeiro momento, sabíamos que não era um homicídio usual", completou, referindo-se ao fato de que os corpos foram encontrados sem sinais de que tivessem sido subjugados --característica, disse o delegado, de mortes executadas por membros de facções. Apenas a mãe do menino, encontrada de joelhos, não parecia estar dormindo quando morreu.

Segundo a polícia, o garoto pegou carona com o pai do amigo --o mesmo que depôs hoje-- para voltar do colégio até sua casa. No meio do caminho, que viu o carro da mãe, pediu para descer, foi até o veículo e retornou para o carro do amigo. A polícia acredita que Marcelo foi até o carro da mãe para pegar um revólver calibre 32, de propriedade do avô dele, que foi encontrada dentro da mochila do garoto.O delegado explicou que a perícia identificou que o pai, a avó e a tia avó de Marcelo estavam de bruços, em posição de quem dormia profundamente, quando foram mortos. Já a mãe estava de joelhos, em posição de submissão, com os braços em frente à cabeça, o que indica que ela estaria acordada na hora do crime.

"Isso já nos chamou a atenção porque não é usual". Para Franco, se fosse um crime encomendado, "fatalmente teria briga, ou qualquer coisa do tipo". "Não foi isso que evidenciamos. Houve ali alguma coisa muito particular, muito familiar."

Franco afirmou que fios de cabelo foram encontrados na mão de Marcelo e serão periciados, a exemplo do computador do garoto, das armas e do Corsa sedan. A perícia já coletou sangue das vítimas para saber se elas foram sedadas. O resultado deverá sair entre 20 e 30 dias.No quarto de Marcelo, foram encontradas, segundo o delegado, "muitas armas de brinquedo", um coldre de ombro, feito com fitas, e um escudo de papelão imitando o utilizado pela Tropa de Choque. "Inconscientemente ele já vinha desejando essa atração por armas."

Marcelo tinha diabetes e fibrose cística, uma doença genética ainda sem cura, mas que se diagnosticada precocemente e tratada de maneira adequada, permite ao paciente ter uma vida praticamente normal. A polícia diz que não há indícios de qualquer relação entre a doença e a motivação dos crimes.

Os corpos foram liberados hoje pelo IML (Instituto Médico Legal) e já foram velados no cemitério Gethsêmani, em Anhanguera, zona norte da capital. Com exceção do corpo da tia de Andreia, supultado no mesmo cemitério, os demais seriam todos enterrados em Rio Claro (173 km de São Paulo).






  • Comentar via Blogger
  • Comentar via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Item Reviewed: Filho de PMs disse a amigo que planejava matar os pais, afirma polícia Rating: 5 Reviewed By: Unknown