Nordeste em Luto, Morreu nesta Terça-feira (23), o Autêntico Forrozeiro Dominguinhos

Depois de seis anos de luta contra um câncer de pulmão, morreu nessa terça-feira, às 18h, no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, o sanfoneiro Dominguinhos, apadrinhado tornou-se herdeiro do trono do Rei do Baião Luis Gonzaga e durante muitos anos fez a alegria dos brasileiros em festas com apresentação do autêntico forró pé de serra, Dominguinhos era um dos maiores músicos do Brasil admirado e muito querido pela sua simpatia e simplicidade. 



Depois de passar um mês internado em Recife, ele foi transferido em 13 de janeiro para o hospital da capital paulista. Ao longo do tratamento, Dominguinhos, que tinha 72 anos, apresentou insuficiência ventricular, arritmia cardíaca e diabetes. Ele faleceu de complicações infecciosas e cardíacas. 

Segundo informações, o velório deve acontecer na quarta-feira em São Paulo, mas o corpo será enterrado em Recife. Os detalhes ainda serão divulgados.

Conheça um pouco da trajetória do sucessor de Luiz Gonzaga:

Tido como sucessor de Luiz Gonzaga, o Rei do Baião (veja os dois tocando juntos no vídeo abaixo), Dominguinhos fez uma carrreira de brilho próprio, com sua sanfona capaz de transitar com virtuosismo e graça por vários estilos musicais, e um talento como compositor que ficou evidente graças a clássicos como “Eu só quero um xodó” (de 1973, regravada em diversas línguas), “De volta pro meu aconchego” e “Tenho sede” (sucesso na voz de Gilberto Gil).

Dominguinhos fez parcerias com grandes nomes da MPB, como Gil (“Lamento sertanejo”, “Abri a porta”), Chico Buarque (“Tantas palavras”, “Isso aqui tá muito bom”, “Xote de navegação”) e Djavan (“Retrato de vida”), além de acompanhar muitos deles, como instrumentista: Gil, Caetano Veloso, Gal Costa, Maria Bethânia, Elba Ramalho, Rita Lee, entre outros.





José Domingos de Moraes nasceu em 1941, em Garanhuns, Pernambuco. O pai, mestre Chicão, tocava e afinava foles de oito baixos. Aos seis anos de idade, ele já tocava sanfona com dois de seus irmãos, sob a alcunha de Trio Três Pinguins, em feiras livres e portas de hotéis da cidade. Numa dessas, aos oito anos, acabou conhecendo Luiz Gonzaga. “Fomos até a pousada onde se hospedara e tocamos meu pai na sanfona, eu no pandeiro, meu irmão na zambumba.

Ele gostou do que ouviu, escreveu num papel o endereço de sua casa em Nilópolis e disse para o procurarmos. Chegamos em julho de 1954, um mês antes do suicídio de Getúlio, e, mesmo tendo passado tanto tempo, Gonzagão nos recebeu e ajudou”, contou o músico, em entrevista. Foi o Rei do Baião, inclusive, que sugeriu a mudança do apelido de infância, Neném, para um nome mais artístico: Dominguinhos.

Aos 16 anos, o rapaz fez sua primeira gravação, tocando sanfona num disco do padrinho artístico, na música “Moça de feira”. No Rio de Janeiro, depois de se familiarizar com o samba e com o bolero, ele formou um grupo que se apresentava em dancings, boates e inferninhos nas zonas da malandragem, acompanhou artistas de rádio com o Regional de Canhoto.

Voltou ao forró aos 21 anos, quando foi convidado a gravar um LP destinado ao público migrante nordestino. Em 1967, Dominguinhos seguiu com Gonzaga em uma excursão ao Nordeste, como sanfoneiro e motorista, e acabou fazendo parte do grupo da cantora pernambucana Anastácia, com quem acabaria se casando e com quem compôs várias músicas — entre elas, “Tenho sede” e “Eu só quero um xodó”.

Em 1972, quando caminhava com Anastácia pela Avenida São João, em São Paulo, o sanfoneiro foi interpelado por Guilherme Araújo, na época o empresário de, entre outros, Gal Costa, Gilberto Gil e Caetano Veloso, que perguntou se ele podia dar uma passada no Teatro Tuca. “Guilherme me disse que estava montando um grupo para as apresentações que Gal e Gil iriam fazer na feira Midem, em Cannes (na França), e, para minha surpresa, eles queriam uma sanfona para completar um grupo”, contou, certa vez o músico, que aí fez a sua entrada no seleto clube dos músicos da MPB. “Nos anos 1950 e início dos 1960, o Rio tinha um caminhão de sanfoneiros, mas levamos um chega pra lá da bossa nova, muitos desistiram ou tiveram que mudar para o piano ou os teclados em geral”, observou ele.

Em 1980, Dominguinhos participou do IIº Festival Internacional de Jazz de São Paulo. Anos mais tarde, ele chegaria às paradas de sucesso com as músicas “De volta pro meu aconchego” (em parceria com Nando Cordel, gravada por Elba Ramalho), e “Isso aqui tá bom demais” (gravada por ele com o parceiro Chico Buarque), que foram incluídas na trilha da novela “Roque Santeiro”.

Em 2002, receberia o Grammy Latino de melhor disco regional, com o álbum “Chegando de mansinho”. Seis anos depois, foi o grande homenageado do Prêmio TIM de Música, e, em 2010, do Prêmio Shell. No mesmo ano, foi lançado o DVD comemorativo dos seus 60 anos de carreira, “Iluminado Dominguinhos”, gravado ao vivo, com as participações de Elba Ramalho, Wagner Tiso, Gilberto Gil, Yamandu Costa, Waldonys e Gilson Peranzzetta.




  • Comentar via Blogger
  • Comentar via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Item Reviewed: Nordeste em Luto, Morreu nesta Terça-feira (23), o Autêntico Forrozeiro Dominguinhos Rating: 5 Reviewed By: CRISOPOLIS EM FOCO